Pais de autistas pedem socorro para não fechar associação em Ubatuba

Presidente da Apeau usou a Tribuna Popular para informar que a entidade passa por dificuldades financeiras

André Vasquez, presidente da APEAU -Associação de Pais do Espectro Autista de Ubatuba-, ocupou a Tribuna Popular na sessão desta terça feira – 02/08 -para falar das atividades da instituição que, segundo ele, passa por grandes dificuldades financeiras, sob risco de fechar. “Pedimos socorro à sociedade como um todo pois passamos por sérias dificuldades financeiras, estamos sangrando diariamente”, revelou.

André explicou que a associação atende por enquanto 170 famílias, mas há uma demanda de cerca de cinco a dez famílias por semana que surgem pedindo ajuda em consequência de um trabalho eficiente que vem sendo feito pela Associação. Esse número de atendidos poderia dobrar para 200, 300 atendidos.

A APEAU vem atendendo todos de forma gratuita enquanto em cidades como Valinhos ou Campinas este atendimento custa entre R$ 4 a 5 mil por atendido. “Nós direcionamos os atendidos com todo suporte necessário de forma gratuita, servindo como modelo para outras cidades, outros Estados e até internacional”, explicou André Vasquez.

“A APEAU acolhe primeiro a família, para direcioná-la, capacitá-la a trabalharmos em parceria. Autistas que estavam fora das salas de aula, retornam para as escolas, vamos inserindo a família na sociedade novamente, não apenas o autista”, detalhou.

PEDINDO SOCORRO – André prosseguiu dizendo “que compareceu à Câmara “para pedir, solicitar aos vereadores, para que conheçam nosso trabalho, vejam a movimentação da entidade. Passamos por sérias dificuldades, estivemos na Prefeitura pedindo ajuda, pedindo socorro e à sociedade como um todo pois estamos prestes a fechar. Passamos por dificuldades financeiras para mantermos as portas abertas. Precisamos da ajuda de cada um de vocês para que possamos continuar com o atendimento”.

Segundo André, “há muitos autistas ainda trancados dentro de suas casas e a APEAU está aqui para inseri-los na sociedade. Temos uma assistente social, temos dois funcionários fora uma lista de outros encargos e materiais. Do fundo do coração, não desejo que a APEAU feche, recebemos mães desesperadas à beira do suicídio e graças ao bom Deus, conseguimos evitar isso”.

Andre entende que “a APEAU veio para agregar para a cidade, para levar a imagem de Ubatuba Brasil afora mas estamos sangrando diariamente e precisamos do apoio, da ajuda desta casa e da população como um todo para que nosso trabalho continue em pé. Peço em nome dos mais de 170 autistas atendidos e a todos os autistas do Brasil”, concluiu.