O que você precisa saber sobre a saúde do homem

Apesar do índice de conscientização masculina ter aumentado ao longo dos últimos anos, muitos homens ainda deixam a saúde e os exames de rotina de lado. Segundo o dr. Massimo Colombini, especialista em medicina da família do Docway, em Curitiba-PR, existem cinco eixos de cuidados que todo homem deveria ter:

1 – ingestão de água;

2 – controle do estresse;

3 – alimentação saudável e controle do peso;

4- atividade física regular; e

5 – relações interpessoais.

“São dicas simples, mas muitos homens deixam esses cuidados de lado no dia a dia, o que acaba por acarretar problemas graves com o passar do tempo”, explica o médico.

A ingestão de água nas quantidades recomendadas é de extrema importância, já que o corpo humano é composto por 74% dela. “A água é necessária para o metabolismo de cada uma das 70 trilhões de células que temos no corpo humano. Precisamos de água para realizar as trocas gasosas da respiração. Utilizamos água para que o rim possa eliminar os resíduos do metabolismo. Nosso corpo utiliza água para o trânsito intestinal. Temos água em todas as articulações e colunas vertebrais para protegê-las do atrito com outros ossos (líquido sinovial). Praticamente todas as funções fisiológicas dependem da água para ocorrerem”, comenta o especialista. Quando ingerimos uma quantidade menor que a quantidade utilizada pelo corpo (entre 1,5 a 3 litros), começam a aparecer diversas doenças.

Outro fator importante na prevenção de doenças é o controle do nível de estresse. Um estudo apresentado pela pesquisadora Kelly McGonigal (2013), mostra que a ocorrência de altos níveis de estresse aumenta em 43% a ocorrência de mortes entre as pessoas que acreditam que o estresse é prejudicial à saúde. Já as pessoas que entendem a resposta ao estresse como uma reação natural do organismo, apresentam os menores índices de mortes. “Ou seja, a forma como encaramos o estresse influencia a ocorrência de mortes em decorrência dele. Costumo perguntar aos pacientes como podemos controlar o estresse e peço para eles relacionarem maneiras de proceder diante de situações de estresse, com música, atividades físicas, yoga, meditação… São atividades que ajudam o paciente nesse controle. Cada pessoa tem atividades que fazem se sentir bem e relaxadas; são preferências individuais”, revela Colombini.

Segundo Robert Waldinger, um dos pesquisadores responsáveis pelo maior estudo sobre a felicidade, conduzido pela Harvard, que acompanha 724 adultos há mais de 75 anos, a qualidade das relações interpessoais que desenvolvemos durante nossa vida está diretamente ligada com a saúde. Pessoas mais satisfeitas com a vida em decorrência das relações interpessoais, apresentaram melhores condições de saúde, e menos ricos ou problemas com doenças.

Outro ponto importante para uma melhor qualidade de vida está relacionado aos nossos cuidados com a alimentação. Para o médico, o ser humano precisa reaprender a comer, não só alimentos mais saudáveis, mas sim levando em consideração as quantidades necessárias para a fisiologia do seu corpo. Essa dificuldade que muitos têm em emagrecer, por exemplo, está diretamente ligada ao que aprendem a comer durante a infância. Por isso, é importante conscientizar as crianças desde muito cedo sobre sua alimentação. Colombini lembra ainda que a quantidade de alimentos ingeridos pelo homem deve diminuir quando o processo de crescimento é interrompido.

Por fim, mas não menos importante, além dos cuidados básicos com a saúde citados, o médico lembra da importância dos exames preventivos e consultas de rotina. “Muitos homens deixam de cuidar da saúde, atribuem pouca importância aos exames periódicos e preventivos, enquanto esse tipo de atitude precisa mudar, visto que a medicina avançou muito e muito pode ser feito para prevenir as doenças e complicações, com grande impacto na qualidade de vida e impacto em toda a família”, completa Colombini.