O pedestre quer respeito

 

É inegável que com o passar dos anos, políticas públicas voltaram seus olhares para o indefeso pedestre, que diariamente enfrenta o desafio de disputar espaço com os veículos automotores.

Mas ainda é pouco o que foi feito. Ao lado de medidas que visam proteger os pedestres, necessitamos de campanhas educativas que melhorem as relações no trânsito.

Por incrível que possa parecer, discussões no trânsito levam à troca de palavrões, troca de socos e até assassinatos. Bem apropriado se dizer que vivemos numa selva de pedra.

Embora não seja regra geral, é comum se ver motoristas ignorarem as faixas de pedestres, invadindo o espaço sagrado de quem anda a pé, ameaçando a integridade de pessoas de todas as idades. E provocando até mortes.

Um outro descaso que causa transtornos ao pedestre e até fraturas, é referente às calçadas, geralmente esburacadas, estreitas, algumas com postes ao meio, piso liso e escorregadio, falhas em acessibilidade, etc.

Para chamar a atenção do prefeito e dos vereadores de Ubatuba, e pedir mais respeito com os pedestres,  trazemos para conhecimento de todos, que a cidade de São Paulo acaba de ganhar o ESTATUTO DO PEDESTRE!

Reproduzimos aqui essa matéria como utilidade pública.

A sanção do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), ao Projeto de Lei (PL) 617/2011, de José Police Neto (PSD) e outros vereadores, foi publicada nesta quarta-feira (14/6) no Diário Oficial. A medida prevê que um terço de receitas vindas do Fundurb (Fundo de Desenvolvimento Urbano), operações urbanas e concessões urbanísticas priorize as viagens a pé.

De acordo com a nova legislação, os recursos deverão ser investidos em intervenções como a melhoria da iluminação das calçadas e o aumento do tempo de travessia nos semáforos.

A proposta foi feita com base na Pesquisa de Mobilidade da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), apresentada em 2012. De acordo com os dados, a caminhada é a forma de se locomover de 31% da população da Região Metropolitana de São Paulo.

Para o vereador Police Neto, as coisas óbvias nem sempre aparecem. “A cidade de São Paulo tem um terço de toda a circulação feita a pé. O pedestre foi esquecido por muito tempo e agora é recolocado no centro das decisões políticas”, disse.

Representantes de diversas entidades, como Cidadeapé, Comissão Técnica de Mobilidade a Pé e Acessibilidade da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Corrida Amiga e SampaPé participaram da elaboração do Estatuto.