Ubatuba. Mais de cem alunos da EM Tancredo devem participar da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) é considerada a maior olimpíada científica do Brasil. Este ano, mais de cem alunos entre turmas do Fundamental II e Médio da Escola Municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves participam realizando a prova na tarde da próxima sexta-feira, 18 – data padrão para todas as instituições que se inscreveram na disputa.

Realizada em fase única, a Oba permite a participação de escolas públicas e particulares.  As provas são realizadas nas próprias escolas e corrigidas pelos professores representantes do evento nas unidades. A edição de 2017 reuniu 665.131 participantes.

De acordo com o site oficial da OBA, em 20 anos de existência, já foi superada a marca dos 8,5 milhões de participantes e estima-se que, anualmente, são distribuídas cerca de 40 mil medalhas.

A olimpíada é dividida em quatro níveis – os três primeiros são para alunos da educação primária e o quarto para os da educação secundária – e a prova é composta por dez perguntas: sete de astronomia e três de astronáutica. A maioria das questões é de raciocínio lógico. As medalhas são distribuídas conforme a pontuação obtida por cada nível entretanto, todos recebem certificados de classificação.

A Coordenadora Pedagógica do Ensino Médio e Pós Médio do Tancredo, Lúcia Muniz de Souza, destacou que os professores chegaram a trabalhar astronomia como parte do conteúdo em sala de aula. “Em 2017, recebemos um professor de Geografia de Taubaté na escola participando da Semana Técnica. Ele é um apaixonado por astronomia e trouxe o telescópio dele para uma oficina sobre o assunto. Fez o maior sucesso, pois todos queriam observar algo através do instrumento. É importante trazer coisas diferentes pois é um incentivo para que eles façam coisas diferentes”, comentou Lúcia.

De acordo com o astrônomo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e coordenador geral do evento, Dr. João Batista Garcia Canalle, o objetivo da OBA é

levar “a maior quantidade de informações sobre as ciências espaciais para a sala de aula,

despertando o interesse nos jovens”.