Entidades ambientalistas de Ubatuba repudiam estímulo à caça de tubarões

O Jornal Ubatuba Acontece News reproduz a nota emitida pelo coletivo de entidades ambientalistas (CEAU), ampliando a sua divulgação e acrescentando conteúdo de valor às discussões sobre eventos envolvendo humanos e animais marinhos, em Ubatuba. Um fato novo, aquece os debates. 

O coletivo de entidades ambientalistas de Ubatuba (CEAU), as sociedades científicas e organizações civis abaixo listadas vem por meio desta repudiar veementemente a ação promovida pelo Tamoios Iate Clube em Ubatuba, que dá incentivo à caça de cações ou squalos (nomes populares para tubarões) com recompensa através de incentivo  financeiro`.

Ressaltamos que os recentes acidentes envolvendo tubarões e humanos no município de Ubatuba foram casos raros e isolados, não sendo até o presente momento, comuns ou frequentes na região.

Os possíveis efeitos causados à vida marinha em função de um ato como este, podem ser extremamente sérios e irreversíveis quando iniciativas equivocadas e que estimulam a ilegalidade, como a “caçada” incentivada pelo Tamoios Iate Clube, são colocadas em prática.

A biodiversidade marinha  o grupo dos elasmobrânquios, que inclui os tubarões, já se encontra sob forte impacto negativo por consequência das ações poluidoras e degradadoras de origem humana no ambiente costeiro e marinho.

Além disso, os tubarões são essenciais para o equilíbrio do ecossistema marinho sendo que diversas espécies de tubarões já se encontram vulneráveis ameaçadas ou em risco de extinção, e atitudes  como essa, podem ampliar e causar imenso desiquilíbrio ecológico desencadeando diversos problemas, inclusive aos seres humanos.

A proposta desta ação pode ser equiparada, como se, por exemplo fosse promovida uma caça às cobras, quando humanos são picados acidentalmente por estes animais. Haveria também um imenso desiquilíbrio ecológico, além de ser algo completamente descabido, por se tratar de acidentes isolados.

Ressaltamos inclusive a Portaria MMA nº 445/2014 instituída pela Portaria MMA nº 201/2017 que proíbe a pesca de 410 espécies aquáticas ameaçadas em todo território brasileiro, segundo a qual parte das espécies de tubarões estão protegidas por lei. Portanto, a caça a determinadas espécies de tubarões, é CRIME AMBIENTAL, passível de prisão e multa, podendo os autores desta ação sendo responsabilizados por eventuais capturas ilegais de espécies proibidas e outras abaixo do tamanho de captura permitido por lei.

Segue a relação de entidades signatárias do documento.

Nota de esclarecimento e repúdio quanto ao incentivo de captura de tubarões!
Sociedade se unindo em defesa dos Tubarões:
Instituto Argonauta
Instituo Neos
Instituto Bandeira Verde
Divers for Sharks – Mergulhadores pela Conservação dos Tubarões
Instituto Augusto Carneiro
Instituto Brasileiro de Conservação da Natureza – IBRACON
AMPARA Silvestre
Instituto PROFAUNA – Proteção à Fauna e Monitoramento Ambiental
ATLANTIC – Observadores de Bordo
VIVA Instituto Verde Azul
CEVAS – Centro Voluntário de Reabilitação de Animais Selvagens
Clínica VidaVet
Instituto MIRA-SERRA
SBEEL – Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios.
SBI- Sociedade Brasileira de Ictiologia
Projeto Baleia a Vista
Instituto Baleia Jubarte
SBEQ – Sociedade Brasileira para o Estudo de Quirópteros
SBH – Sociedade Brasileira de Herpetologia
Aquário de Ubatuba
Grupo de Assessoramento Técnico do Plano Nacional de Conservação dos Tubarões e Arraias
Instituto Gremar
Laboratório de Ecologia e Conservação/UFPR
Liga das Mulheres pelo Oceano
Rede Nacional Pró Unidades de Conservação
SBZ – Sociedade Brasileira de Zoologia
SEB – Sociedade Entomológica do Brasil
SBO – Sociedade Brasileira de Ornitologia
SBEt – Sociedade Brasileira de Etologia
AOceano – Associação Brasileira de Oceanografia
SBMZ – Sociedade Brasileira de Mastozoologia
SBMa – Sociedade Brasileira de Malacologia
Instituto Biopesca
Instituto Educa Brasil
Instituto de Biologia Marinha Bióicos
Instituto Esperança dos Anjos