Desordem gera mais conflitos que dinheiro e sexo na vida a dois, segundo pesquisa

   Falta de sexo? Falta de dinheiro? O que gera mais conflito entre os casais? Surpreenda-se com o que diz essa pesquisa!
O resultado foi uma surpresa! Quem diria que a falta de organização com a casa e com os objetos pessoais seria o primeiro motivo no ranking das 58 razões pelas quais os casais brasileiros brigam? A lista é resultado da pesquisa do Instituto do Casal, realizada entre os dias 17 de abril e 2 de junho, com 708 pessoas casadas ou que estão em um relacionamento estável.

A pesquisa revelou que 51% dos casais brasileiros brigam por este motivo. Uma pesquisa feita na Inglaterra mostrou que por lá a bagunça leva 40% dos casais a brigarem duas vezes por semana. A mesma pesquisa apontou que 60% das mulheres inglesas se recusam a fazer sexo quando a casa está muito bagunçada ou suja.

Opinião das especialistas

Para as psicólogas Marina Simas de Lima e Denise Miranda de Figueiredo, ambas terapeutas de casal e família e fundadoras do Instituto do Casal, a revelação da pesquisa brasileira é muito importante, pois traz um motivo inusitado e que precisa de mais atenção por parte dos casais.

“Quando o assunto é briga de casal nossa tendência é pensar em motivos mais sérios, como traição, violência doméstica, problemas financeiros ou até mesmo sexuais. Entretanto, a pesquisa mostrou que a maioria dos casais se incomoda muito mais com falta de organização do que com as questões financeiras ou sexuais. Com isso, precisamos entender melhor como isso afeta os casais para podermos oferecer recursos para resolução deste tipo de conflito”, comenta Denise.

Bola de neve
Para Marina, a bagunça pode criar uma barreira entre o casal e se tornar em algo maior. “Em muitos casos, uma casa bagunçada pode simbolizar para um dos parceiros que o outro não se importa com o relacionamento. Com isso, a tendência é criar um ciclo vicioso de reclamação e de críticas. Um faz a bagunça e o outro reclama e está formada a confusão”.

Para se ter uma ideia da importância disso, excesso de críticas ocupa o quarto lugar e o excesso de reclamações o décimo no ranking da pesquisa do Instituto do Casal.

Bagunça pode criar outros problemas
De acordo com Denise, a bagunça pode aumentar os níveis de estresse e afetar a capacidade de se mover ou até mesmo de pensar claramente.

“A casa não é apenas um lugar pra dormir, tomar banho e fazer refeições. É uma construção repleta de significados, experiências e situações que são moldadas pelo casal. Assim, quando este ambiente está bagunçado ou desorganizado, pode interferir nessas experiências, na satisfação com a vida a dois e no bem-estar de maneira geral”, diz Denise.

Para Marina, é preciso avaliar se a dificuldade de manter a casa e os objetos pessoais organizados está ligada à depressão e à ansiedade, por exemplo.

“Um ambiente muito caótico pode aumentar os níveis de estresse, pois a bagunça cria uma grande quantidade de informações no cérebro, nos recordando continuamente da nossa dificuldade de organização. Porém, pode ser fruto de algum problema emocional e isso é muito relevante para a solução deste conflito”.
        5 dicas para não deixar que a bagunça seja motivo de DR

Veja as dicas do Instituto do Casal para lidar com a falta de organização da casa e dos objetos pessoais na vida a dois.

1.    Não é pessoal: A dificuldade de organização não está ligada, na maioria dos casos, a se importar ou não com o relacionamento. Portanto, não se deve levar para o lado pessoal. Isso diminui o risco de transformar o problema em algo maior. Além disso, cada pessoa tem um nível de tolerância para a bagunça. Para alguns a roupa acumulada durante a semana pode ser guardada no final de semana. Mas, para outros, a roupa deve ser guardada todos os dias. Entender qual o nível de tolerância do (da) parceiro (a) para a desordem pode ajudar a gerenciar os conflitos.

2.    Diálogo: Se a bagunça está incomodando, fale com seu (sua) parceiro (a). Não brigue, não ofenda, não desrespeite. Simplesmente sente-se e converse sobre o problema. Explique suas razões e tente entender as razões do outro. Procure chegar a um acordo que seja bom para os dois e bom para o relacionamento.

3.    Estabeleça territórios: Muitas vezes, a bagunça pode ser positiva ou pode até mesmo fazer parte da personalidade de uma pessoa. Assim, se seu (sua) parceiro (a) se encaixa nesse perfil, demarque uma área da casa em que ele (ela) possa usar e deixar organizado (ou desorganizado) da sua maneira. De preferência uma área que não seja de uso comum.

4.    A origem da bagunça: Ansiedade, depressão, problemas no trabalho, déficit de atenção. Antes de sair criticando ou brigando com o (a) parceiro (a), avalie se ele (ela) está passando por algum problema no trabalho, financeiro, entre outro, que possa estar afetando a capacidade de organização dele (dela). Ofereça ajuda, estenda a mão, se coloque no lugar do outro. A empatia nessa questão é fundamental. Pesquisa ainda se a raiz do problema está no modelo de organização (desorganização) vivido na casa da família de origem.

5.    Peça ajuda: Você já tentou de tudo e não consegue manter a casa organizada? Leve em consideração contratar profissionais especializados em organização, como um personal organizer.