Campanha ‘Laço Branco’ mobiliza homens contra violência às mulheres nesta segunda em Caraguatatuba

 

A Prefeitura de Caraguatatuba, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania (Sedesc), segue com atividades alusivas à Campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Para mobilizar o público masculino nesta causa, 6 de dezembro (segunda-feira) é lembrado como Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

A campanha existe há 24 anos quando, no Canadá, um jovem de 25 anos entrou armado em uma escola e atirou contra 14 mulheres alegando que odiava feministas. Em seguida, ele suicidou-se e deixou uma carta com uma lista de 19 feministas que ele pretendia matar. Desde então, homens canadenses lançaram a campanha para mostrar ao mundo que, apesar de existirem aqueles que agridem mulheres, há também os que repudiam e não se calam diante da violência.

Para marcar a data, na segunda-feira, às 9h, no auditório da Fundacc, o evento será realizado exclusivamente para o público masculino e contará com uma roda de conversa para explanar o tema ‘Desconstruindo o machismo’. O assunto será debatido por diversas autoridades e contará com a participação do prefeito Aguilar Junior. Para participar, os homens devem ser inscrever no link: https://tinyurl.com/arsskcnk.

Atividades

Desde o início da Campanha, no dia 25 de novembro, a equipe da Sedesc tem realizado diversos debates nas secretarias municipais e levando conhecimento sobre os serviços dedicados às mulheres vítimas de violência, por meio de ações nos comércios e no centro da cidade.

Nas secretarias são ouvidas as opiniões dos funcionários sobre o machismo e debatido sobre como desconstruir certos tipos de comentários e atitudes feitas tanto por homens, mas também por mulheres.

A agente administrativo da Sedesc, Isabella Noima, apresentou um dado importante que mostra o quanto o machismo ainda está presente nos dias de hoje. A cada 10 pessoas que cometem suicídio, oito são homens. “São os que mais sofrem e não sabem pedir ajuda porque lhes foi ensinado desde jovem que homem tem que ser forte e tem que lidar com isso sozinho. Isso é um tipo de machismo e que precisa ser extinto”, aponta.

“Por isso, a divulgação do assunto precisa ser feita para todos os públicos, seja com palestras, imprensa, mídia social, diálogos, entre outros. Nosso objetivo é extinguir o machismo, para que nunca mais exista”, explica o educador social da Sedesc, Danilo Cossani.

Ativismo

Os 16 Dias de Ativismo começaram em 1991 quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), iniciaram uma campanha com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo. A data é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como Las Mariposas, assassinadas em 1961 por integrarem a oposição ao regime do ditador Rafael Trujillo, na República Dominicana.

Confira a programação

– Dia 3 (sexta): 8h às 14h – Divulgação e orientação nas secretarias de Meio Ambiente e Saúde; 9h às 12h – Orientações (Dia do Autocuidado) no Ciam;

– Dia 4 (sábado): 14h às 19h – Fórum LGBTQI+ Litoral Norte: Palestra ‘Sexualidade e Gênero’, Roda de conversa com mulheres transexuais, travestis, lésbicas e bissexuais e Apresentações de Shows de Drags Queens;

– Dia 6 (segunda): 9h às 11h – Dia do Laço Branco – Roda de Conversa: Desconstruindo o Machismo na Fundacc com participação de diversas autoridades municipais;

– Dia 7 (terça): 9h às 14h – Divulgação e orientação nos Cras Massaguaçu e Getuba;

– Dia 8 (quarta): 9h às 14h – Divulgação e orientação nos Cras Centro e Norte;

– Dia 9 (quinta): 9h às 14h – Divulgação e orientação nos Cras Sul e Barranco Alto;

– Dia 10 (sexta): 13h30 às 17h30 – Enceramento da Campanha com o 3º Fórum “Vigilância as Violências” – Tema: O itinerário da mulher x O ciclo de violência frente ao trabalho articulado em rede – Fundacc.